PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PM infiltrado no enterro de jovem morta em festa gera confusão e tumulto

Foto: Reprodução/RecordTV
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

Familiares e amigos de Karine Ramos estranharam a presença do policial que filmou a cerimônia

O enterro de Karine Cristina Ramos, de 20 anos, na manhã desta segunda-feira (16) foi marcado por tumulto e confusão com a presença de um policial militar infiltrado. Ele filmou a cerimônia de despedida da jovem. Amigos e familiares desconfiaram da atitude do PM que estava sem uniforme e armado. 

Imagens divulgadas pela Record TV mostram o PM no cemitério com uma blusa verde e de máscara de proteção preta sendo confrontado pelas pessoas que participavam do enterro sobre o que fazia ali, já que imaginaram que poderia ser uma amigo da jovem. 

O PM tenta se desvencilhar das pessoas, não consegue e cai no chão onde é agredido. Os participantes então pedem para chamar a polícia e pegam a arma do policial. O celular do PM sumiu no momento da confusão e foi encontrado em um banheiro. 

O aparelho e a arma foram devolvidos ao PM que saiu do local em uma viatura e foi levado ao hospital. 

A presença do policial militar à paisana no local é investigada. 

Entenda o caso

Karine Cristina Ramos, 20 anos, morreu na noite do último o sábado (15) após ser baleada em uma festa na Vila Carmela. O suspeito de atirar na jovem é um cabo da Polícia Militar, de 45 anos, que foi preso em flagrante no dia do crime. 

Ele foi solto no dia seguinte após a Justiça conceder liberdade provisória em audiência de custódia. 

O policial militar alegou em depoimento que o disparo foi acidental e que ele estaria de folga na noite do crime. Entretanto, a família refuta essa versão. Uma das suspeitas é de que a jovem foi baleada durante roleta-russa, quando apenas uma bala é colocada no tambor do revólver, que é girado, de modo que o disparo ocorra aleatoriamente.

Em uma publicação nas redes sociais, a irmã de Karine, Isabella Ramos, afirmou que a irmã estava ao seu lado no momento em que foi baleada.  

“A minha irmã foi assassinada do meu lado, essa é a verdade. Não existe disparo sem querer. Não existe ‘matei sem querer’”, escreveu. 

A tia da jovem também se manifestou sobre o relato do policial militar. 

“Infelizmente esse crime vai ficar impune como muitos. Essa menina era minha sobrinha e tinha apenas 20 anos. Tinha a vida inteira pela frente e foi tirada por uma estupidez, por alguém que só quis se aparecer com uma arma na mão”, comentou.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM

PUBLICIDADE