PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Lenda do jornalismo em Guarulhos, Osvaldo Tassi morre aos 80 anos

Osvaldo Tassi
Foto: reprodução/Facebook/Radar de Notícias
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

Radialista começou sua carreira em São Carlos. Na década de 60 chegou a Guarulhos, onde se dedicou principalmente ao jornalismo esportivo

O jornalismo guarulhense amanheceu triste neste domingo (18) devido ao falecimento do radialista Osvaldo Tassi, de 80 anos, uma lenda do jornalismo na cidade.

Tassi era natural de Santa Ernestina, uma cidade próxima a Taquaritinga, mas começou sua carreira em São Carlos.

“Costumo dizer para os meus amigos que a minha primeira estação de rádio foi uma perua Dodge com quatro alto-falantes em cima e nós rodávamos toda a cidade fazendo propaganda. Aliás, eu digo aos meus amigos, se você quer ser um bom radialista, procure falar em serviços de alto-falante, em parque, circo, é o que da a impulsação de voz”, disse Tassi sobre o começo de sua carreira em entrevista ao jornalista Virgilio Rocha, do Programa Radar de Notícias.

Na rádio, Tassi começou a trabalhar na rádio São Carlo e passou depois para a rádio Progresso, na mesma cidade, sempre atuando na área do Esporte, como repórter de campo.

Chegou a Capital em 1960, quando veio morar na Rua Tupi, transferido da viação Cometa, onde trabalhava no setor da Promoção, onde ficou no Jardim Perdizes.

Em seguida, começou a trabalhar na Rádio Nacional, onde trabalhou com nomes como Milton Galdão, Carlos Aymar e Hélio Prioli.

O radialista contou que sua história em Guarulhos começou por volta de 1962, quando veio à cidade com um amigo que queria comprar uma casa. Os dois, então, pararam para tomar um café na antiga padaria Ponto Chic, na região central.

Ele conta que em uma conversa com uma munícipe sobre uma situação de um vencedor da São Silvestre que estava dormindo “debaixo de ponte”.

“Aquilo foi o ponto inicial do meu trabalho aqui. Eu não acreditei, mas depois fui pesquisar e era verdade. Mas, concluindo, tomamos um café e fomos conhecer a rádio Difusora Hora Certa de Guarulhos, que havia uma enorme placa”, contou Tassi.

Em uma conversa com Osmar Marsilli, ex-diretor da Rádio Difusora à época, que pertencia ao Centro Espírita Nosso Lar – Casas André Luiz, foi convidado a vir para Guarulhos e acabou por deixar a rádio Nacional para aceitar um trabalho que tinha como objetivo a construção de uma escola de rádio.

Já na cidade, lutou pela concessão de um rádio FM para Guarulhos, a Universitária FM. Tassi também participou da Tupi AM, criou o programa Câmara Esportiva, narrou e reproduziu jogos e construiu uma longa história com o Esporte da cidade. Também foi diretor de Esporte na AD Guarulhos e assessor de imprensa na Prefeitura de Guarulhos.

Tassi deixa a esposa, três filhos e quatro netos. Ele será sepultado no cemitério da Vila Rio de Janeiro.

Para assistir a íntegra da entrevista de Tassi no programa Radar de Notícias clique aqui.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM

PUBLICIDADE