PUBLICIDADE

Anterior
Próximo

PUBLICIDADE

Anterior
Próximo

Polícia prende homem em fábrica clandestina de álcool e cosméticos em Cumbica

Foto: Polícia Civil
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

PUBLICIDADE

 17 mil unidades de álcool em gel e líquido foram apreendidas na ação

A Polícia Civil prendeu um farmacêutico, de 67 anos, responsável por uma fábrica clandestina de álcool em gel e cosméticos. O flagrante aconteceu na última quarta-feira (13), em Cumbica.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Equipes policiais realizavam investigações sobre a prática criminosa, quando receberam informações de um local onde ocorria a fabricação irregular dos produtos. Os agentes foram até o endereço, na Rua Areial, e flagraram um veículo realizando o transbordo da carga em frente ao estabelecimento.

Questionado, o motorista do veículo disse que estava no local apenas para realizar uma troca de lote da substância que estava com problema de fabricação. De acordo com os funcionários do local, a fábrica funciona há seis meses.

Os agentes solicitaram os documentos da empresa ao responsável pelo imóvel, mas ele se negou a entregar a documentação. Após vistoria no estabelecimento, os investigadores confirmaram que o local estava funcionando sem a devida autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na fábrica, foram aprendidas 17 máquinas para produção de cosméticos, um tanque com 11,6 mil litros de álcool, 320 produtos para cabelos, além de 18 tambores e 200 galões vazios, 250 embalagens para creme, 500 embalagens para shampoo, 6.000 caixas de papelão, 35.250 embalagens para armazenar álcool, inclusive em gel, e 67.000 tampas de embalagem.

Também foram recolhidos 250 galões e 750 frascos com álcool líquido, 16.948 unidades de álcool em gel, bem como três máquinas de cartão, DVR e uma CPU. Todo o material foi apreendido para perícia.

O responsável pela fábrica foi preso em flagrante e levado ao 8º Distrito Policial de Guarulhos, onde foi autuado por falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais. Posteriormente, ele foi encaminhado à carceragem do 1º DP da cidade, onde permaneceu à disposição da Justiça.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
VEJA TAMBÉM

PUBLICIDADE