PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Morador do Jardim Presidente Dutra preso injustamente é solto após 13 dias

Denis
Foto: reprodução/Facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

Denis foi detido por ter o primeiro nome igual ao de um bandido que ligou para um comparsa mesmo após provar que os números de telefone eram diferentes

Preso injustamente por ter o mesmo nome de um criminoso que ligou para um comparsa no Jardim Presidente Dutra, Denis Rodrigues Ribeiro, 37 anos, retornou para casa na última quinta-feira (3).


Conforme relatado pelo GRU Diário, Denis foi enquadrado junto a um grupo de pessoas por policiais militares e levado à delegacia porque tinha o mesmo nome de um bandido que ligou para um comparsa que estava em poder da polícia, acusado de roubar uma carga dos Correios, no dia 21 de maio.

Mesmo após verificar que Denis não tinha o mesmo número de telefone e nem a mesma imagem de WhatsApp do comparsa do criminoso, os policiais levaram o homem para a delegacia e a vítima do roubo, um agente dos Correios, disse ter reconhecido Denis pela “voz” e pelos “olhos” como um dos autores do crime, o que fez com que a prisão dele fosse decretada.

Vídeos gravados por diversas câmeras, porém, demonstram que Denis esteve em muitos lugares diferentes e distantes do crime na ocasião e apontavam que ele foi preso injustamente. (clique aqui para ver todo o caso)

“Eu só quero agradecer todo mundo que me apoiou e sabe da minha índole, que eu não sou ladrão, não sou nada, que acreditou e me ajudou”, disse Denis em um vídeo gravado por um amigo.

Apesar da soltura, Denis continua a responder pelo processo:

“Neste momento, os elementos indiciários que apontam para a participação de DENIS não contam com a mesma força com que se apresentam em relação aos demais indiciados e carecem de melhor análise no curso da instrução do eventual processo que advirá, de modo que a manutenção da prisão cautelar, neste momento, mostrar-se ia temerária, REVOGO A PRISÃO PREVENTIVA de DENIS RODRIGUES RIBEIRO”, determinou a juíza Maria de Fátima Guimarães Pimentel de Lima.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM