fbpx
PUBLICIDADE

Homem é preso por ter primeiro nome igual ao de bandido que ligou para comparsa no Presidente Dutra e família alega injustiça

Denis
Foto: arquivo pessoal
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Além de ter um número de telefone diferente, imagens obtidas pela família mostram que Denis estava em outro lugar no momento do crime

Familiares e amigos de Denis Rodrigues Ribeiro, 37 anos, afirmam que ele foi preso injustamente na última sexta-feira (21), no Jardim Presidente Dutra, quando foi enquadrado junto a um grupo de pessoas por policiais militares e levado à delegacia porque tinha o mesmo nome de um bandido que ligou para um comparsa que estava em poder da polícia, acusado de roubar uma carga dos Correios.

Mesmo após verificar que Denis não tinha o mesmo número de telefone e nem a mesma imagem de WhatsApp do comparsa do criminoso, os policiais levaram o homem para a delegacia e a vítima do roubo, um agente dos Correios, disse ter reconhecido Denis pela “voz” e pelos “olhos” como um dos autores do crime, o que fez com que a prisão dele fosse decretada.

O GRU Diário teve acesso ao boletim de ocorrência e verificou que toda a história começou por volta de 11h35, quando três criminosos abordaram um van dos Correios na Rua Olimpio Ferreira Duarte, no Inocoop. O funcionário da empresa estava parado e foi abordado por três homens que gritaram “vai, vai, é um assalto”.

Ele afirma então que foi feito refém entre 20 e 25 minutos e que uma kombi escoltou os criminosos que tomaram a van até ele ser abandonado na Rua Gonçalves Dias, na Vila Carmela. Após ser solto, ele avisou a polícia sobre o crime.

Por volta das 16h, na Avenida Francisco Xavier Correia, em Cumbica, policiais militares avistaram um indivíduo dentro de um Escort com diversas mercadorias na parte traseira. Ao receber a ordem de parada, o homem primeiramente tentou fugir, mas parou e admitiu que os produtos eram frutos de um roubo de van dos Correios.

O homem então afirmou que a van foi desmontada e que as peças estavam em uma oficina na Praça do Orobó, no Jardim Presidente Dutra. Foi neste momento que o telefone do homem tocou e o identificador de chamadas mostrou o nome “Denis”.

De acordo com o homem detido, Denis era um dos responsáveis pelo roubo da carga e o estava esperando na Praça do Orobó, próximo a um carro de cor azul. Ao chegar no local, os policiais abordaram um grupo de pessoas e Denis Ribeiro Rodrigues estava entre eles. Questionado, ele mostrou o celular para os policiais, que comprovaram que o número de telefone e a imagem usada no aplicativo WhatsApp dele eram diferentes a do criminoso que também se chama Denis, e que ligou para o homem detido com os pertences da van.

Mesmo assim, Denis foi levado ao 7º Distrito Policial e o agente dos Correios disse, “sem sombra de dúvidas”, mesmo sabendo que os bandidos estavam de capuz, que o reconhecia pela voz, olhos e cor da pele. Denis então foi detido.

Vale ressaltar que quando os polícias chegaram à Praça do Orobó, homens que estavam em um Corsa tentaram fugir, mas foram cercados pela PM. Denis não estava com estes homens, mas um deles estava armado e havia uma série de produtos roubados da van dos Correios no porta-malas. O condutor e o passageiro armado também foram detidos.

A versão de Denis

Aos policias, Denis contou que por volta de 11h estava no mercado, onde foi comprar pão para os filhos.

Por volta de 12h50, foi para a casa da sogra, próxima à Praça do Orobó, e pouco depois, às 13h30, foi a uma loja de manutenção técnica de celulares, onde pagou o conserto de um aparelho no cartão de crédito. O recibo deste pagamento foi apresentado por ele, feito às 13h23.

Ele alega então que retornou para a casa da sogra, saiu para cortar o cabelo e retornou às 15h40, quando foi abordado pelos policiais.

Denis afirmou que não conhece nenhum dos homens levados com ele para a delegacia e comprovou que seu número é diferente do que foi identificado no celular do homem que estava em poder da polícia.

Amigos e familiares reúnem imagens e gravações de Denis em outro lugar no momento do crime

Amigos próximos e familiares de Denis ficaram indignados com a prisão dele e se reuniram para colher provas de sua inocência e realizar uma vaquinha para pagar um advogado.

De acordo com o comerciante Ednaldo Moraes de Andrade, de 40 anos, que conhece Denis desde criança, a prisão é injusta.

“Ele veio na casa da sogra e estava em frente à adega quando foi abordado pelos policiais. Como ele tinha o mesmo nome de um criminoso que ligou para outro, ele foi abordado. Uns caras que estavam do outro lado da rua caíram fora e a gente achou que era só levar o documento do Denis que ele seria liberado, mas no sábado teve audiência de custódia e ele continuou preso”, explicou o comerciante.

A esposa de Denis, Tatiane, juntos desde 1999, contou que ele estava com um dos três filhos, de 12 anos, no momento da abordagem, e que em momento nenhum ele participou de qualquer crime.

“A gente pegou uma filmagem de uma viela onde ele passa com os meninos por volta do 12h49. A gente também conseguiu uma imagem dele no supermercado, mas não quiseram liberar a gravação. Do lado que dá para minha casa é carga e descarga, com certeza tem alguma imagem dele lá, longe de onde o crime acontecia”, disse a mulher.

A imagem, cedida pela esposa de Denis ao GRU Diário, mostra que ele estava no mercado às 10h18 (veja a foto abaixo):

Denis no mercado
Foto: cedida pela família

Outro vídeo mostra Denis passando por uma viela, acompanhado dos filhos, por volta de 12h50:

Outras imagens mostram Denis com os três filhos chegando à Praça do Orobó para ir à casa da sogra:

E por fim, há um vídeo do momento do enquadro:

Advogado contesta reconhecimento por “olhos, cor e voz” e afirma que não havia tempo para Denis cometer o crime

Advogado contratado pela família após a audiência de custódia ocorrida no sábado (22), que tornou a prisão de Denis preventiva, Eduardo Ferrari afirmou que o modelo de reconhecimento foi temerário e que seria inviável que Denis tivesse tempo hábil para cometer o crime.

“A vítima narrou que o ladrão estava de capuz, somente com os olhos aparecendo e sabemos que após um crime a vítima está com adrenalina alta, situação de estresse aguda. A vítima confunde as situações. Todos estes elementos aliados ao fato de que ele estava em outro local indicam que ele é inocente”, disse Ferrari.

Durante a conversa com o GRU Diário, o advogado afirmou que já preparava o recurso para pedir a soltura de Denis e que todo o processo poderia demorar até 10 dias para avaliação da Justiça.

O que diz a Secretaria de Segurança Pública

A reportagem do GRU Diário questionou a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP) sobre o procedimento realizado e se a declaração da vítima era suficiente para prender Denis, já que os bandidos estavam de capuz.

A Secretaria, em nota, se limitou a falar que a prisão ocorreu em flagrante:


O caso foi registrado como roubo de carga, na última sexta-feira (21), pelo 7º Distrito Policial de Guarulhos. Na ocasião, quatro homens, com idades entre 37 e 45 anos, foram presos em flagrante. Os indiciados ficaram à disposição da Justiça”, disse a SSP em nota.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM