fbpx
PUBLICIDADE

Martello defende redução de funcionários para manter Proguaru aberta

Martello
Foto: reprodução/TV Câmara
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Declaração foi dada em entrevista à TV Câmara; Funcionários da Proguaru entram em greve no dia 15

Em uma entrevista à TV Câmara, na quinta-feira (11), o presidente da Câmara Municipal, martello (PDT), defendeu uma redução no número de funcionários da Proguaru para que a empresa possa continuar aberta.

“Eu sou a favor que a Proguaru continue, que o prefeito [Guti (PSD)] faça um teste e acredite naquilo que eu estou falando, para que ele diminua os funcionários da Proguaru, reorganize e monte um time profissional, porque ela é muito útil para a cidade”, afirmou o presidente.

Matello afirmou que o prefeito é quem tem a capacidade de tomar a decisão, mas que tem dialogado com Guti para tentar evitar o fim da empresa, previsto para o próximo ano.

“Nós temos que convencê-lo, porque ele que teve os votos, eu tive 3,8 mil votos, ele teve 380 mil. Quem manda? Mas mesmo assim a gente tá opinando, dialogando com ele, dialoguei com o Ibrahim ontem, para que eles revejam essa posição de fechar abruptamente. Tenho certeza que este estudo [sobre o custo da empresa] vai mostrar realmente o que está acontecendo”, argumentou Martello.

O presidente afirmou que um enxugamento na empresa de capital misto pode favorecer outras famílias a manterem seus empregos.

“Quantas famílias? 3 mil, 3,5 mil, possam viver de lá? Estamos numa pandemia, não tem emprego, vamos mandar embora quase 700. É melhor mandar 1,2 mil, ou mil? E continuar dando emprego para estas famílias ao menos neste momento”, disse Martello.

Por conta da extinção da empresa, aprovada na Câmara Municipal no fim do ano passado e sancionada pelo prefeito, sob justificada de prejuízos anuais de R$ 200 milhões, os funcionários devem entrar em greve na próxima segunda-feira (15).

Em sua fala, Martello afirmou ainda que a Proguaru deve cumprir uma missão social e de atendimento à população.

“Se fechar, fechar com calma. Eu, se fosse o prefeito, jamais fecharia. Eu, Martello, como empresário, é só uma questão de ajuste, e ir lá e colocar um gestor, um bom administrador, que trabalhe para a Proguaru, não trabalhe para atender só vereador ou para entender aqui e ali sem sentido, aqui é uma empresa que tem que trabalhar e receber para dar contrapartida à Prefeitura, que é a dona dela”, concluiu.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM