fbpx
PUBLICIDADE

Macrodrenagem do Baquirivu deve evitar prejuízo anual de até R$ 20 mi aos cofres públicos gerado por enchentes

Secretário de Obras
Foto: Eurico Cruz
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Projeto não conta com recursos do Estado e nem da iniciativa privada

Principal projeto do segundo mandato do prefeito Guti (PSD), a macrodrenagem do Rio Baquirivu-Guaçu deve evitar prejuízo anual de até R$ 20 milhões aos cofres públicos gerados pelas enchentes que afetam os bairros próximos.

A informação foi confirmada ao GRU Diário pelo secretário de Obras, Marco Antonio Guimarães, durante consulta pública, nesta quinta-feira (28), no Teatro Adamastor, sobre dúvidas de empresas interessadas em executar a obra.

Eu fiz este cálculo. Cada enchente que tem a Prefeitura gasta entre R$ 12 milhões e R$ 20 milhões para recompor asfalto, recompor barrancos. E se eu não tenho isso eu não gasto. Se eu tivesse estes R$ 20 milhões ao ano investidos eu pagava a obra“, afirmou o secretário. Guimarães afirmou que em alguns anos o prejuízo chega a ser maior.

De acordo com o secretário, a obra, que pode começar em maio, deve acabar com 70% das enchentes no município. Além do prejuízo aos cofres públicos, o secretário ressaltou ainda que o cidadão atingido por este tipo de desastre não mais perderá móveis e eletrodomésticos, um reflexo positivo no bolso do contribuinte.

De acordo com o secretário, pelo menos 30 empresas demonstraram interesse em executar a obra.

Inicialmente, a perspectiva era de que a obra contasse com recursos estaduais, mas à época, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) acabou por destinar o recurso para outros municípios.

Sem os recursos para a obra, a gestão do prefeito Guti conseguiu um crédito no valor de 96 milhões de dólares, o equivalente a R$ 516 milhões, junto à CAF (Confederação Andina de Fomento).

Em entrevista ao GRU Diário, o deputado federal Alencar Santana (PT), criticou a atitude do ex-governador, já que havia um compromisso junto à Prefeitura, em 2014, na gestão do prefeito Sebastião Almeida (PT), que viu o termo ser rompido em 2026.

Mas Alencar também criticou a atual gestão por ter assumido o financiamento sem cobrar recursos do Governo do Estado, já que se trata de um rio estadual. “Como ele fala que a cidade está endividada e faz uma dívida desta, a conta simplesmente não bate”, disse o deputado em referência aos comentários do prefeito que o PT deixou a cidade falida.

Além da obra para evitar enchentes, o projeto voltado para a região atingida pelo Rio Baquirivu-Guaçu envolve um amplo parque linear, a construção de moradias populares para famílias que serão removidas para o andamento da obra e também de diversos equipamentos de saúde e educação.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM