fbpx
PUBLICIDADE

Guti diz que Justiça validou taxa do lixo e acusa oposição de mentir por interesse eleitoral

Guti, prefeito
Foto: Reprodução/Facebook
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Projeto que revoga a taxa do lixo deve ser encaminhado às comissões da Câmara na quarta-feira

Em live transmitida pelas redes sociais na tarde desta segunda-feira (1º), o prefeito de Guarulhos, Guti (PSD), acusou a oposição de mentir sobre a revogação da taxa ambiental, conhecida como a taxa do lixo. Ele disse que definiu, com base em pareceres de sua equipe, a extinção do imposto que começou a vigorar em maio.

Opositores de Guti disseram que a revogação da taxa do lixo foi decidida por suposta inconstitucionalidade da lei que criou o imposto. O prefeito disse que a Justiça já deu ganho de causa à Prefeitura em quatro ações judiciais que questionavam a taxa.

A Câmara Municipal vai votar a deliberação da proposta de revogação do imposto nesta quarta-feira (3), em sessão extraordinária. Ele criticou o projeto dos vereadores Edmilson Souza (Psol) e Fausto Miguel Martello (PDT), que trata do mesmo tema, mas não prevê os recursos a serem utilizados para substituir a previsão da taxa do lixo.

“Cuidado com os mentirosos eleitorais que querem pegar o seu voto. A verdade é que não podem propor (a revogação da taxa). Querem jogar para a torcida. Nós vamos acabar com a taxa do lixo”, disse Guti.

A taxa do lixo foi proposta por Guti e aprovada pela Câmara Municipal, em 2021, com base no Novo Marco do Saneamento, sancionado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PL). Mais de 1,5 mil cidades criaram a taxa no ano passado.

A taxa do lixo passou a vigorar em maio, mas teve grande rejeição pela população. Guti conseguiu criar e aprovar no Legislativo a TPA (Taxa de Preservação Ambiental), para cobrar as empresas aéreas pela poluição gerada pelos aviões nos pousos e decolagens no Aeroporto Internacional de Guarulhos. A verba arrecadada com a TPA vai substituir a taxa do lixo em 2023. Apesar disso, a pressão continuou e a Prefeitura prevê um superátiv de R$ 110 milhões no orçamento deste ano para revogar o imposto a partir de setembro.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM