PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Tempo de tela e inversão de sono afetam saúde mental de jovens de Guarulhos na pandemia

Foto: Dragana_Gordic/Freepik
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

Estudo da Unifesp coletou depoimentos de estudantes do Ensino Fundamental em Guarulhos

Na ausência da rotina escolar, jovens estudantes de escolas públicas de Guarulhos passam mais tempo diante de telas e trocam a noite pelo dia apresentam com mais frequência sintomas de depressão e ansiedade na pandemia de covid-19.


Os dois comportamentos, ao lado de ser do sexo feminino, foram os fatores mais associados a esses sintomas, segundo estudo recentemente publicado por pesquisadores(as) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O grupo interdisciplinar constatou que estudantes do 9.º ano do ensino fundamental e do ensino médio de escolas públicas estaduais e municipais, localizadas nas periferias dos municípios de São Paulo e Guarulhos, apresentaram triagem positiva em 10,5% para depressão e 47,5% para ansiedade. O critério adotado foi o Inventário de Depressão Infantil e de Ansiedade pelo SCARED (Screen for Child Anxiety Related Emotional Disorders).

“Outros fatores revelaram estar relacionados a esses quadros. Quem avalia que o conhecimento adquirido na escola é importante tende a ter menos sintomas de depressão. Quem teve caso de covid-19 em casa apresentou mais sintomas. Essas tendências também se verificaram em relação à ansiedade, mas testes estatísticos não puderam confirmar efeito consistente”, explica Daniel Arias Vazquez, professor e pesquisador da Unifesp.

O professor também destaca que o artigo evidencia uma falsa dicotomia entre agravamento da saúde mental e volta às aulas em meio à pandemia, bastante presente no debate público. “Se, de um lado, o retorno à rotina escolar reduzirá a exposição às telas e a inversão do sono, amenizando os sintomas de depressão e ansiedade; por outro lado, deve-se ter em mente que a incidência de casos de covid-19 na família também impacta a saúde mental dos estudantes, podendo se tornar um fator ainda mais preponderante com o agravamento da pandemia”, descreve Vazquez.

O estudo envolveu questionário disponibilizado na internet e autopreenchido pelos jovens entre 29 de outubro e 14 de dezembro de 2020, quando as escolas estavam sem aula presencial. Para ter acesso aos(às) estudantes e a autorização formal das escolas e dos pais, a pesquisa contou com o apoio do coletivo Brigada pela Vida, que congrega diferentes setores do movimento de educação e saúde, com participação de professores(as) e diretores(as) das escolas.

A equipe da Unifesp responsável pelo artigo Vida sem Escola e a saúde mental dos estudantes de escolas públicas durante a pandemia de Covid-19, publicado como preprint pela plataforma Scielo, é multidisciplinar e intercampi. São autores(as) do estudo os(as) professores(as) Daniel Vazquez, Sheila Caetano, Rogerio Schlegel, Elaine Lourenço, Ana Nemi, Andrea Slemian e Zila Sanchez, especialistas em educação, psiquiatria, políticas públicas e epidemiologia, oriundos(as) dos departamentos de Ciências Sociais, História, Psiquiatria e Medicina Preventiva da Unifesp.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM