PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

“Pátria amada não pode ser pátria armada”, defende arcebispo de Aparecida

Dom Orlando Brandes
Foto: Reprodução/Orlando Brandes
Compartilhe
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

Dom Orlando afirmou que república não precisa de armas, fake news e corrupção

Dom Orlando Brandes, arcebispo de Aparecida, realizou um discurso em prol da vida durante missa realizada no Santuário da cidade nesta terça-feira (12)

“Para ser pátria amada não pode ser pátria armada. Para ser pátria amada seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos irmãos construindo a grande família brasileira”, declarou Brandes.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O bispo também lamentou as mortes decorrentes da covid-19 e defendeu que os brasileiros abracem a todos, sem distinção.

“Vamos abraçar o Brasil enlutado pelas 600 mil mortes. Vamos abraçar nossas crianças porque hoje é o Dia da Criança. Vamos abraçar nossos pobres. E abracemos também nossas autoridades para que juntos construamos um Brasil, pátria amada”, afirmou o arcebispo.

Brandes terminou a missa com agradecimentos à Nossa Senhora de Aparecida:

Na pandemia, a Senhora foi consoladora, conselheira, mestra, companheira e guia do povo brasileiro, que hoje te agradece de todo coração porque vacina sim, ciência sim e Nossa Senhora Aparecida junto salvando o povo brasileiro”, disse.

Durante a missa, o arcebispo não citou diretamente o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido), que defende uma pauta armamentista.

O discurso do arcebispo representa uma ala mais progressista da igreja, embora ele seja visto como um católico mais conservador, que tem se identificado mais ccom as pautas do presidente.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Compartilhe
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM

PUBLICIDADE