fbpx
PUBLICIDADE

Passageiros esperam mais de três horas por linha que liga Guarulhos ao Metrô Armênia

EMTU ônibus
Foto: Divulgação/EMTU
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Linha 016, que voltou a circular recentemente, também apresenta problemas com a frota

A linha intermunicipal 016, que liga Guarulhos ao Metrô Armênia, da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU), voltou a circular no dia 17 de agosto, após um período de interrupção, e já apresenta problemas nos intervalos entre os ônibus e na quantidade de veículos da frota. 

Segundo o passageiro Marlon Andrade de Araújo, 29 anos, os usuários têm dificuldade para utilizar a linha, por conta dos intervalos que ultrapassam três horas e da quantidade de veículos na frota.

“No horário de pico, na volta para casa, esse ônibus sai do Cecap, às 18h15, para chegar na Armênia, às 19h20. Logo, eu e a maioria dos trabalhadores que sai do trabalho às 17, 18 horas, não vê nem a cor desse ônibus”, afirma Araújo. E continua. “Só tem um ônibus rodando. O próprio motorista, no primeiro dia [que a linha voltou a circular], já me disse que só tem um ônibus na linha”, diz.

Ele utiliza a linha 016 desde sua reativação. Araújo mora na Vila Barros, embarca na rodoviária do Cecap, e segue até o Metrô Armênia, onde fica o prédio em que trabalha como analista de suporte. 

Na volta para casa, Araújo acaba usando a linha 552 (Parque Santos Dumont – Metrô Armênia), que dispõe de mais veículos, mas tem aglomeração de passageiros e um longo itinerário. “É por isso que queremos mais ônibus na linha 016”, ressalta Araújo. 

No mês passado, a EMTU aumentou a frota da linha 552 e de outras 12 que ligam a região de Guarulhos às estações Tucuruvi e Armênia, do Metrô, e ao bairro da Penha, na zona leste da capital.

“Por que eles [EMTU] ficam forçando os moradores do Cecap a pegar o 552? Eles [EMTU] ficam  perguntando se o 552 não serve para os moradores dos condomínios do Cecap, aqueles que ficam próximos à Praça dos Mamonas. Para quem mora na Vila Barros, tem que descer para a avenida e ir andando, fora que à noite é escuro. E outra, o 552 passa em um monte de bairros e já é superlotado. E a aglomeração?”, questiona o analista. 

O longo tempo de espera está relacionado à quantidade de veículos que a EMTU disponibiliza aos passageiros. A reportagem consultou no site oficial da EMTU, em dias e horários alternados, a localização do ônibus 016 em tempo real. Apenas um prefixo de ônibus apareceu nas buscas: o 33759.

Passageiros esperam mais de três horas por linha que liga Guarulhos ao Metrô Armênia
Foto: Reprodução/Diário Oficial do Estado de SP

De acordo com o Diário Oficial do Estado de São Paulo, do dia 6 de agosto, quando foi publicada a portaria sobre a reativação da linha, consta que a 016 teria uma frota de seis veículos.

A EMTU informa em seu site a quantidade de saídas e os horários do 016, saindo do Terminal Urbano de Guarulhos: 5:40 – 7:45 – 11:05 – 13:10 – 15:45 – 18:15 – 21:55 – 23:45. E do Metrô Armênia: 6:45 – 9:05 – 12:10 – 14:15 – 16:45 – 19:15 – 22:45 – 24:30. Os intervalos chegam a ter mais de três horas, entre um ônibus e outro, com apenas oito saídas por dia em cada sentido (Guarulhos/São Paulo).

 

Resposta

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM), por meio de nota, informou que “está com “Operação Monitorada” desde o início da quarentena. As linhas intermunicipais são acompanhadas diariamente, por faixa horária, em pontos estratégicos, trabalho realizado pelos fiscais da EMTU/SP nas cinco regiões metropolitanas do Estado. Sempre que constatada a necessidade, novos veículos são incluídos”​.

A EMTU não respondeu aos questionamentos do GRU Diário, como o longo intervalo entre os ônibus, o número de veículos da frota, entre outros. 

De acordo com a resolução do governo de São Paulo sobre a “Operação Monitorada”, publicada em 16 de junho, no Diário Oficial, consta: “No sistema de transporte Público gerenciado pelo Governo do Estado de São Paulo – trens e ônibus das Regiões Metropolitanas do Estado de São Paulo, deverá ser disponibilizada toda a frota necessária ao atendimento da demanda, podendo chegar a 100% da capacidade total da operação, de acordo com a necessidade por linha e por horário, buscando contribuir as medidas de enfrentamento à pandemia.”

Vinculada à Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM), a EMTU é controlada pelo Governo de São Paulo. Ela fiscaliza e regulamenta o transporte metropolitano nas cinco regiões metropolitanas do estado: São Paulo, Campinas, Sorocaba, Baixada Santista e Vale do Paraíba/Litoral Norte. Juntas, as áreas somam 134 municípios.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM