Error: Embedded data could not be displayed.
Error: Embedded data could not be displayed.
Error: Embedded data could not be displayed.
Error: Embedded data could not be displayed.

Paciente acusa médica do HMU de negligência e omissão de socorro

Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Foto: Arquivo Pessoal
Error: Embedded data could not be displayed.

Após retornar de uma cirurgia no coração, em Mogi das Cruzes, Thiago Silva contou que foi dispensado praticamente na porta da garagem do hospital sem nenhuma orientação

O paciente Thiago Silva, 32 anos, afirmou ter sofrido omissão de socorro por parte de uma médica do Hospital Municipal de Urgências, no Bom Clima, na madrugada desta sexta-feira, 31, quando retornou após um cateterismo realizado na Santa Casa de Mogi das Cruzes, no interior de São Paulo, e disse ter recebido alta sem orientação médica.

O paciente teve de realizar o procedimento em Mogi por conta de seu peso. Nenhum dos equipamentos disponíveis na cidade seria capaz de realizar o procedimento em pessoas obesas. O caso gerou grande mobilização nas redes sociais.

Depois de realizar a cirurgia, ele retornou em uma ambulância com uma equipe médica do HMU, na qual estava a médica Stella Regina.

“Chegando no HMU, antes de eu descer da maca, eu estava sendo desconectado do cinto de segurança, a médica virou e disse: ‘te deram alta lá, então você está de alta aqui, você pode ir para casa’. Ela virou de costas, entrou no hospital e foi embora”, contou Thiago.

Ele disse que recebeu de uma enfermeira alguns documentos, exames de imagem da Santa Casa e uma guia de encaminhamento, mas não uma autorização formal de alta. No caminho para casa, junto de alguns amigos, percebeu que ainda estava com o acesso para ministrar medicamentos na veia de seu braço. Então, decidiu retornar para o hospital.

Quando encontrou a médica, Thiago afirmou estar nervoso e sabe que se exaltou, mas quando falou com a profissional sobre o acesso venoso em seu braço, ouviu que retirar o equipamento não era o trabalho dela, mas da enfermeira.

Neste momento, o paciente disse que chamaria a polícia por omissão de socorro e a médica retrucou, disse que ela é quem acionaria os policiais. Ela afirmou não ser obrigada a aguentar ignorância e se afastou de Thiago.

Foto: Arquivo Pessoal

Ainda com o acesso venoso no braço, o publicitário foi atendido por uma enfermeira e o equipamento foi retirado. Ele pediu para falar com um responsável do hospital, que estava jantando e não o atendeu. Outro médico, chamado Bruno Ferrante, segundo o relato do paciente, retomou o atendimento e disse que o internaria ou ele poderia ir embora. Thiago não quis entregar os documentos que estava em mãos para Ferrante.

Inconformado com o atendimento, Thiago deixou o hospital e continuou sem orientação médica.

Prefeitura nega que haja negligência

Questionada pela reportagem, a Secretaria de Saúde negou que tenha ocorrido negligência médica ou omissão de socorro.

Em nota, o órgão afirmou que a médica estava na equipe de transporte e conversou com os médicos de Mogi sobre a alta do paciente. De acordo com a pasta, o rapaz estaria “satisfeito” em retornar para casa.

A Secretaria também afirmou que o doutor Bruno Ferrante não disse que internaria o paciente, mas que buscaria no sistema se realmente ele estava de alta, o que não constava.

“Ressalta-se que tanto a Dra. Stella, quanto o relatório do plantão administrativo informam que o paciente apresentou postura de desrespeito com a médica, incluindo agressões verbais”, diz a nota da Secretaria.

A Saúde Municipal também afirmou que não pretende tomar nenhuma medida administrativa, nem mesmo uma advertência contra a médica. “O órgão responsável por analisar conduta médica é o Conselho Profissional”, afirmou.

Sobre o atendimento ao paciente, a Secretaria não informou uma data ou se prontificou a entrar em contato com o publicitário, disse apenas que “a equipe do HMU está à disposição do paciente para prestar os esclarecimentos e reavaliar o quadro clínico, caso haja necessidade”.

Thiago segue sem orientação e nega satisfação com alta

A reportagem do GRU Diário voltou a questionar Thiago sobre o ocorrido e as declarações da Saúde. O paciente negou estar “satisfeito” com a alta.

“Existe uma diferença para alta de Mogi e da internação do HMU. Foi me dada a alta em Mogi. A alta que eles me deram foi em relação ao procedimento, e não ao HMU”, afirmou o paciente.

Thiago reiterou que acredita que o comportamento da médica foi nocivo, já que ela simplesmente falou que ele estava de alta e “virou as costas”. Ele reafirmou a falta de orientação no HMU e teme ter alguma complicação por conta da falta de instrução no hospital municipal.

“Eu não sei o que fazer”, desabafou o paciente.

Error: Embedded data could not be displayed.
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

Veja também...

Error: Embedded data could not be displayed.
Error: Embedded data could not be displayed.