fbpx
Previous slide
Next slide
Previous slide
Next slide

Ópera infantil Chapeuzinho Vermelho terá encenações em CEUs de Guarulhos no fim de semana

Ópera Chapeuzinho Vermelho
Foto: Divulgação/PMG
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Apresentações são gratuitas e fazem parte do 2º Festival de Ópera de Guarulhos

Um espetáculo encantador, que se transforma a cada apresentação nos espaços educativos de Guarulhos a partir do intenso contato e da interação do público com o elenco. No próximo sábado (2), os CEUs Continental e Rosa de França recebem a ópera infantil Chapeuzinho Vermelho, com apresentações às 10h e às 15h, respectivamente. Todas as encenações são gratuitas e têm classificação livre.

Mais de 600 pessoas já assistiram ao espetáculo desde que a ópera estreou, em 12 de agosto, em um circuito que vai passar por todos os CEUs de Guarulhos até culminar com o espetáculo de encerramento no dia 23 de setembro, às 15h, no Teatro Adamastor.

A ópera Chapeuzinho Vermelho integra a programação do II Festival de Ópera de Guarulhos, iniciativa da Prefeitura, que por meio da Secretaria de Cultura objetiva a oferta de espetáculos grandiosos com elenco premiado composto por cantores, diretores e especialistas do gênero para dar ainda mais visibilidade à ópera.

Um espetáculo em constante transformação

A encenação de Chapeuzinho Vermelho conta com as atuações de Tatiane Reis, Daiane Scales e Cintia Cunha, cantoras que vêm se dedicando à construção da história a cada encenação. Elas contam que o que faz com que cada espetáculo seja diferente do outro é o desenrolar dos ensaios, a forma lúdica com a qual o elenco se dedica à construção das cenas, os detalhes, o modo como o texto é conduzido e a interação com as crianças. Tudo contribui para que a história da Chapeuzinho Vermelho, da forma como tem sido apresentada nos CEUs em Guarulhos, seja única, uma experiência fascinante.

“Quando fui convidada para fazer essa ópera parecia que um grande sonho da minha vida estava se realizando. A oportunidade de contar as histórias da minha infância para crianças cuja realidade, às vezes, as impede de ir a grandes teatros, me animou bastante. Os jovens se envolvem demais, o jeito como comentam, dão risada, sentem medo, conversam, olham, se afastam e se aproximam, tudo isso muda de uma apresentação para outra”, afirma Cintia Cunha, cantora que faz os personagens Lobo e Lenhador. A cantora conta que o elenco tem alcançado também os adultos, que se envolvem com o texto e com a música, e saem de lá com sua criança interior aflorada.

Igualmente fascinada pela história e pela pronta aceitação do espetáculo pelo público, Tatiane Reis comemora a apresentação do espetáculo em português, o que aproxima ainda mais o público da ópera. Para Tatiane, levar Chapeuzinho Vermelho para o lugar onde as crianças vivem e estudam tem sido surpreendente e deu outro significado ao que, até então, desconheciam.

“Devido às características desse canto, distante do que o público normalmente escuta, estávamos preocupados em prender a atenção das crianças e manter essa atenção ao longo do espetáculo. Nossa ideia era aproximar o público infantil e acredito que estamos cumprindo muito bem essa função com leveza e brincadeiras. A cada apresentação é nítido o quanto elas estão envolvidas e interessadas, participando intensamente”, conta Tatiane. A cantora acredita que, à medida que mais pessoas assistem, diminui o estigma de que a ópera tem que estar em espaços privilegiados e elitistas.

Daiane Scales destacou a proposta do diretor cênico, Felipe Venâncio, que trouxe para o elenco a possibilidade do jogo e do brincar como criança, o que, segundo a cantora, mudou o jeito como ela própria encarava a montagem.

“Mais que dirigir, ele nos conduz àquele resultado, um trabalho em equipe muito gostoso. E da transformação em cena, dada também pela forma como os figurinos nos mudam, o maior desafio da Chapeuzinho é exatamente ser a mãe, a vovozinha, o caçador, além da própria criança, uma grande surpresa”, disse Daiane, imersa na sensação de observar o modo como os personagens passam a outros, sendo um só ao mesmo tempo.

Para ela, o resultado desse trabalho deixa claro o modo como o público cria identificação com o que assiste. Sem pudor, abraçam os personagens e criam relações de cumplicidade que fluem, formam e mudam as pessoas, e que também transformam a equipe de produção.

O circuito de apresentações da ópera Chapeuzinho Vermelho nos espaços educativos de Guarulhos segue até o dia 23 de setembro e conta com o apoio do programa Mais Futuro, que objetiva a circulação de eventos culturais nos espaços públicos da cidade.

Programação

2 de setembro

10h – CEU Continental

Rua Alzimar Vargas Batista, 284 – Parque Continental II

15h – CEU Rosa de França

Rua Sergipe, s/nº – Jd. Rosa de França

9 de setembro

10h – CEU Paraíso-Alvorada

Rua Dom Silvério, s/nº – Vila Paraíso

15h – CEU Bonsucesso

Avenida Paschoal Thomeu, s/nº – Bonsucesso

16 de setembro

10h – CEU São Rafael

Rua Deus do Sol, s/nº – Vila São Rafael

15h – CEU Jardim Cumbica

Avenida Atalaia do Norte, 544 – Jd. Cumbica

23 de setembro

10h – CEU Parque São Miguel

Rua Joaquim Moreira, s/nº – Pq. São Miguel

15h – Teatro Adamastor

Avenida Monteiro Lobato, 734 – Macedo

Ficha técnica

Libreto: César Cui e Marina Stanislavona

Versão brasileira: Irineu Perpétuo

Direção musical: Kevin Camargo

Direção cênica e cenografia: Felipe Venâncio

Chapeuzinho Vermelho: Tatiane Reis

A Mãe, a Vovozinha e o Caçador: Daiane Scales

O Lobo e o Lenhador: Cintia Cunha

Piano: Jordan Alexander

Produção executiva e assistência de direção: Gabriel Pangonis

Desenho, montagem e operação de luz: Presto Kowask

Montagem e operação de luz: Cayene Moreira

Figurino e visagismo: Malonna e Polly.Br

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM