fbpx
PUBLICIDADE

Internet na infância: existe um lado positivo?

Criança com celular
Foto: Freepik
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

A internet tem um grande potencial para colaborar com o desenvolvimento infantil, mas também pode ser destrutiva

As redes sociais e os meios tecnológicos que garantem o acesso a elas são recursos cada vez mais presentes em nossa cultura, tornando-se a maneira mais adequada e fácil de nos mantermos em contato com outras pessoas, seja socializando ou trabalhando.

As crianças não ficam de fora desses espaços. Inclusive, o uso de meios eletrônicos não é nenhuma novidade para elas, sendo, atualmente, determinante para a socialização, exposição e criação da cultura na infância.

Importante ressaltar como esse tipo de tecnologia, de certa forma, pode ser um fator de estímulo à autonomia das crianças. Há uma gama de aplicativos, conteúdos em plataformas e jogos que são feitos por e para elas, criando espaços de relacionamento e interação muito diferentes das gerações passadas. Essas novas formas de interagir e construir durante a infância contrariam certas perspectivas sociológicas tradicionais sobre esse período da vida. A criança não é mais um ser que apenas recebe o conhecimento dos adultos. Hoje, ela participa ativamente de sua própria criação e seu desenvolvimento. Até por ter mais contato com outras culturas, graças à internet.

Há pouco tempo, as únicas referências de uma criança eram as pessoas mais próximas, como seus pais e avós, estendendo-se a  algumas figuras dentro da escola e próximas da família.

Com a internet, as referências das crianças vão além dos lugares que elas frequentam. Um Youtuber, por exemplo, pode ser uma dessas figuras. A internet adiciona um novo repertório instrumental para as crianças lidarem com a infância. Atualmente, tanto seu comportamento quanto as suas sensações são coloridas por diversas informações e personagens.

Vemos um novo movimento dialético entre adultos e crianças, que mutuamente se transformam e ensinam um ao outro, ou seja, os mais jovens também ensinam muitas coisas aos mais velhos, pois apresentam a eles suas referências e conhecimentos adquiridos pelo uso da internet.

Porém, as tecnologias também oferecem certos riscos para as crianças. Constantemente, elas são alvos de golpistas e/ou abusadores. A proximidade dos pais, ensinando e explicando quais e o porquê certos tipos de conteúdos são mais ou menos adequados, torna-se primordial para uma relação de maior qualidade entre crianças e tecnologias.

Em outras palavras, a internet tem um grande potencial para colaborar com o desenvolvimento infantil, mas também pode ser destrutiva. O ponto chave é aceitar as diferenças entre gerações e entender que, hoje, as crianças são mais ativas em suas próprias escolhas. No entanto, os adultos não podem deixar de lado o olhar de cuidado e atenção para o desenvolvimento delas. Também é importante que os pais delimitem e organizem o uso dos meios eletrônicos no cotidiano das crianças, procurando o balanço entre atividades corporais e digitais. Assim, os resultados podem ser de grandes conquistas nas relações das gerações futuras.

Autor

*Guilherme Silveira Caltabellotta, formado em psicologia pelo Mackenzie e pós-graduado em Saúde Mental pela Santa Casa de São Paulo. Atua como psicólogo clínico e social. Foi coordenador da área de assistência psicológica do Núcleo Espiral.

Sobre o Núcleo Espiral

O Núcleo Espiral, há mais de 14 anos, dedica-se à educação, pesquisa e aos estudos contra a prática de violência ou tratamento degradante à pessoa humana, em especial, à criança e ao adolescente.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM