fbpx
PUBLICIDADE

Homens de 18 a 24 anos demonstram desinteresse por sexo, aponta pesquisa

Foto: Divulgação
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide


Faixa etária costuma ter saúde e menos preocupação rotineira, o que pode explicar o resultado, diz especialista

Uma pesquisa encomendada pela Revista GQ ao Instituo Ideia revelou o perfil do homem médio brasileiro, suas percepções sobre a sociedade e preocupações. Um dos resultados obtidos mostrou dados intrigantes sobre os jovens, que são menos interessados em sexo.

Em matéria de comportamento social, os jovens se revelarem a parcela mais conservadora entre os homens. Aqueles com idade entre 18 e 24 anos são os que menos apoiam o feminismo, os que mais cobram virgindade da mulher e os que mais querem ter uma arma de fogo.

Quando questionados sobre a importância da prática sexual em suas vidas, apenas 32,5% deram nota 10. Na média, considerando todas as faixas etárias, o sexo tem importância 10 para 44,8% dos homens. Dentre aqueles que deram nota zero para a importância do sexo, os jovens são 6,7%, enquanto a média é de 2,2%.

Para o especialista Ageu Pedro Júnior, administrador da Hominem Clinic Guarulhos, o resultado é natural por alguns motivos.

“Cheios de hormônios e com o estado de saúde geral muito bom, algo característico entre os 18 e 24 anos, é compreensível que o sexo não tenha tanta importância entre os jovens. O tema não é uma preocupação. Conseguir uma ereção prolongada, por exemplo, não chega a ser um problema para eles”, explica.

“Conforme o homem envelhece e precisa lidar com mais responsabilidades, aparecem as questões emocionais e fisiológicas que podem atrapalhar o desempenho sexual. Um menino de 19 anos não se preocupa se a empresa está para quebrar, se um filho está doente ou se vai conseguir se aposentar. Um homem de 49, sim”, completa Ageu, que conta com uma equipe multidisciplinar para ajudar homens com problemas sexuais.

O raciocínio de Ageu ganha respaldo na própria pesquisa. Os dados da GQ revelam que, no geral, 70% dos homens estão endividados, 60% tem uma carreira profissional abaixo da expectativa e 83% deles estão estressados.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM