fbpx
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Garcia e Tarcísio sobem tom de campanha entre si de olho em vaga no 2º turno

Tarcísio x Rodrigo
Foto: montagem/reprodução/GRU Diário
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Em uma das disputas recentes, Justiça Eleitoral negou pedido do bolsonarista para retirar da campanha de Garcia vídeo em que ex-ministro aparece ao lado de prefeito suspeito de associação ao crime

De olho em uma vaga no 2º turno contra Fernando Haddad (PT) na disputa pelo governo do Estado de São Paulo, o governador Rodrigo Garcia (PSDB) e o ex-ministro de Infraestrutura Tarcísio de Freitas (Republicanos) subiram o tom da campanha e aumentaram o ataque entre eles.

A subida nas críticas entre os candidatos é mais um capítulo desta briga após a recente pesquisa Datafolha, divulgada na última quinta-feira (15), na qual Haddad manteve a liderança com 36% das intenções de voto, enquanto Freitas e Garcia aparecem empatados pela margem de erro de 2%, respectivamente com 22% e 19% das intenções de voto.

Em um dos embates recentes, o TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) negou pedido do ex-ministro para que fosse retirada da campanha de Garcia um vídeo em que o bolsonarista aparece recebendo o apoio do prefeito de Embu das Artes, Ney Santos, do mesmo partido, que já foi preso e é investigado pelo Ministério Público por associação a uma facção criminosa.

Já Tarcísio tenta atrelar a imagem de Garcia ao ex-governador João Doria e a política do “Fique em Casa” durante a pandemia. Recentemente, o bolsonarista foi multado pela Justiça Eleitoral por um suposto impulsionamento no Google para tentar atrapalhar a campanha do atual governador.

De acordo com o que foi apurado pela reportagem, a campanha de Garcia, embora também foque ataques ao petista, acredita que seja melhor focar em Freitas para garantir a participação do atual governador no 2º turno.

Já a campanha de Tarcísio tem se preocupados com alguns danos ocorridos nas últimas semanas. Embora o ex-ministro seja visto como mais racional e moderado que o presidente Jair Bolsonaro (PL), a rejeição ao presidente, o ataque contra a jornalista Vera Magalhães e o crescimento de Garcia preocupam seu núcleo de campanha.

O núcleo de campanha petista, entretanto, acredita o melhor cenário no segundo turno seria enfrentar Freitas, já que se manteria um discurso da luta do petismo contra o bolsonarismo.

Na mesma pesquisa Datafolha divulgada na última quinta-feira (15), a diferença entre Garcia para Haddad, no segundo turno, a distância de Haddad para Garcia, é de 6 pontos percentuais, enquanto que para o ex-ministro de Bolsonaro a vantagem é de 18 pontos.

A mais recente pesquisa Datafolha foi contratada pela Folha de São Paulo e pela TV Globo. Foram entrevistadas 1.808 pessoas em 74 cidades do estado de terça-feira (13) a quinta-feira (15). O levantamento foi registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número SP-06078/2022.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM