PUBLICIDADE

Error: Embedded data could not be displayed.

Escolas particulares manterão aulas presenciais em Guarulhos, diz associação

Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
sala de aula professor escola
Foto: Marcos Santos/USP Imagens

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Error: Embedded data could not be displayed.

De acordo com Associação das Escolas Particulares de Guarulhos e Região, rede privada não faz parte da ação e manterá serviço com capacidade reduzida

o presidente da AEG (Associação das Escolas Particulares de Guarulhos), Wilson Lourenço, afirmou que as escolas particulares não fazem parte das ações movidas pelo Sinpro e pela Apeoesp da cidade, que representam a categoria dos professores, que acordaram a suspensão de aulas presenciais até o dia 30 de maio.

“As Escolas Particulares de Guarulhos não são parte nas ações judiciais 1014876-18.2021.8.26.0224 e 1013189-06.2021.8.26.0224, impetradas pelo SINPRO e APEOESP.
As escolas continuam com aulas remotas para a maior parte dos alunos, conforme o Plano São Paulo e presencialmente apenas para as crianças que mais precisam, seguindo os protocolos sanitários”, disse o presidente em comunicado via WhatsApp

Em uma audiência realizada no dia 28 de abril, presidida pelo Juiz Dr.  Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo, da 1ª Vara da Fazenda Pública do Foro de Guarulhos, ficou acordado, entre sindicatos e Prefeitura, a suspensão imediata das aulas presenciais na cidade de Guarulhos, tanto na rede pública quanto privada por conta da pandemia da covid-19.

Em nota, o Sinpro afirmou que o acordo firmado nos autos destas ações diz respeito tanto às escolas públicas quanto às escolas privadas e deve ser cumprida imediatamente.

“A ata da audiência é clara ao informar que ‘a rede de ensino público estadual (do município de Guarulhos) e a rede de ensino privado municipal permanecerão com ensino integralmente remoto até dia 30/05/21’. Dessa forma, a AEG, ao afirmar que manterá aulas presenciais descumpre determinação judicial e coloca em risco a saúde e a vida de toda comunidade escolar. Trata-se de posição ilegal, no campo jurídico, e irresponsável, no campo social, diante da grave crise sanitária que estamos enfrentando”, afirmou o Sinpro.

Em nota a Prefeitura de Guarulhos afirmou apenas que “participou da audiência nesta quarta-feira, quando a Vara da Fazenda de Guarulhos determinou que o retorno das aulas presenciais no Município deve ocorrer somente em 31 de maio deste ano.”

Até o presente momento, nenhum decreto oficial do governo determina a suspensão das aulas presenciais.

PUBLICIDADE

Previous
Next

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Error: Embedded data could not be displayed.
COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
Error: Embedded data could not be displayed.