PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Escolas estaduais vão fornecer absorventes para alunas

Foto: Freepik
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

Programa Dignidade Íntima atenderá 1,6 milhão de adolescentes de 10 a 18 anos

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) anunciou o programa Dignidade Íntima que vai investir mais de R$ 30 milhões para compra de produtos de higiene menstrual para as escolas da rede estadual. A verba será disponibilizada por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE-SP) com o objetivo de beneficiar principalmente estudantes em situação de vulnerabilidade econômica e social.  


“As professoras e diretoras sabem quem precisa ou não precisa de absorventes. E as que precisam, agora terão”, afirmou o governador João Doria (PSDB). 

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que uma entre 10 meninas no mundo sofrem com o impacto da pobreza menstrual na vida escolar. No Brasil, estima-se que esse número seja uma em quatro. Em 2014, a ONU reconheceu o direito à higiene menstrual como uma questão de direito humano e à saúde pública.  

“As alunas perdem até 45 dias de aula por causa do período menstrual. É um tema que precisa ser tratado com todo o cuidado para que essas alunas não sejam expostas”, destacou o secretário de Estado da Educação Rossieli Soares. 

A rede estadual conta com 1,6 milhão de alunas. Dessas, 1,3 milhão estão em idade menstrual, entre 10 e 18 anos. Mais de 500 mil possuem cadastro no CadÚnico e mais de 290 mil são beneficiárias do programa Bolsa Família, todas em situação de vulnerabilidade. O programa Dignidade Íntima terá abrangência para todas as alunas, mas priorizando essas alunas.  

Os protocolos de distribuição irão garantir privacidade e cuidado, criando múltiplos canais de atendimento para as estudantes. A partir de julho deste ano, serão realizadas formações pela Seduc-SP para orientar as equipes escolares.  

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
COMENTÁRIOS

PUBLICIDADE

VEJA TAMBÉM