fbpx
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Empresa e morador conseguem suspensão da taxa do lixo de Guarulhos na Justiça

Coleta de Lixo
Foto: Divulgação/Prefeitura
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Decisão vale apenas para as partes envolvidas no processo. Cobrança do tributo continua válida para os demais contribuintes

Em dois processos distintos, uma empresa e uma munícipe conseguiram na Justiça a suspensão da cobrança da taxa do lixo.

Ambas as decisões são emitidas pela juíza Mariana Dubois Fava, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Guarulhos, e datadas do dia 24 de maio.

Vale ressaltar que a suspensão vale apenas para as partes envolvidas nos processos e a cobrança da taxa do lixo continua válida para os demais contribuintes da cidade.

Em sua decisão, a juíza acatou a argumentação de que a base de cálculo da cobrança, baseada no consumo de água e no tratamento de esgoto do imóvel, pode ser considerada inconstitucional.

Para embasar a decisão, a juíza cita um caso similar da Prefeitura de Mauá, cujo processo está em andamento, mas o tributo do lixo foi suspenso pelo fato da cobrança se basear na mesma base de cálculo de água e esgoto.

A Prefeitura alega que esse modelo de cálculo foi o mais justo para fazer a cobrança e afirma que ser obrigada a implantar o imposto por conta da aprovação e sanção do Marco do Saneamento pelo governo federal.

Em nota, a Prefeitura informou que “assim que for, recorrerá dela porque tem plena certeza de que o método adotado é constitucional e previsto no marco regulatório de saneamento básico. A municipalidade tem convicção de que essas decisões serão revistas ou por um juiz ou pelo Tribunal de Justiça”.

Desde que a taxa do lixo começou a ser cobrada em maio, munícipes reclamaram do valor da cobrança e a oposição focou em apontar a taxa do lixo como ilegal e abusiva.

No ano passado, uma decisão obtida pelo PDT de Guarulhos chegou a suspender a cobrança, mas o processo foi extinto e o imposto retomado.

O deputado federal Alencar Santana (PT-SP) entrou com representação no Ministério Público e entre os argumento da inconstitucionalidade também citou o método de cálculo do tributo.

Na representação do deputado foi anexado um documento da promotoria do Ministério Público que, com base no mesmo argumento citado nesta matéria, pede que o procurador-geral Mario Luiz Sarrubbo entre com uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) contra a cobrança na cidade.

Para minimizar o desgaste popular com o novo tributo, a Prefeitura criou uma taxação para empresas aéreas na cidade com o objetivo de revogar a taxa do lixo a partir do ano que vem. O novo imposto deve custar R$ 185 milhões para as empresas aéreas, que avaliam entrar na Justiça contra a cobrança.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM