Deputados acusam Estado de omissão no HGG e prometem levar caso ao MP

Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Deputados estaduais fazem fiscalização no Hospital Geral (Foto: Divulgação)

Para cada paciente com covid-19, um servidor é contaminado pela doença. Mais de 400 profissionais já foram afastados

Os deputados do Parlamentares em Defesa do Orçamento (PDO) da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) preparam uma representação no Ministério Público contra o Governo do Estado por suposta falta de investimentos e omissão no Hospital Geral de Guarulhos (HGG).

Em visita ao equipamento na tarde de terça-feira, 26, os deputados afirmaram que o atendimento à população está prejudicado, já que todos os leitos destinados a pacientes com covid-19 estão ocupados.

O HGG conta com 287 leitos no total, dos quais apenas 77 estão destinados a pacientes com covid-19 (42 na UTI e 35 na enfermaria).

Desde o início da pandemia forma registrados 400 internações e 70 óbitos causados pelo novo coronavírus. Neste período o hospital contabilizou mais de 400 afastamentos de profissionais da saúde por contaminação, mais de um quarto dos 1,6 mil profissionais que atuam no hospital, ou seja, a cada paciente internado, em média, um profissional é infectado.

No almoxarifado, os deputados verificaram o estoque de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e afirmaram que a reposição dos materiais está bem limitada e que o atendimento à população poderia ser ampliado para mais 35 leitos, mas há falta recursos financeiros.

Para dar conta da demanda de covid-19, o governo repassa ao hospital um aditivo de R$ 500 mil por mês para atender a população de Guarulhos e mais 9 municípios da região do Alto Tietê.

“Para se ter uma ideia da disparidade, o hospital de campanha do Ibirapuera (inaugurado em 1º de maio) conta com R$ 10 milhões por mês para manutenção. Mais um equívoco do governo, aparelhar hospitais de campanha em detrimento dos equipamentos de saúde que, passada a pandemia, continuarão servindo a população”, disse nota emitida pela assessoria do deputado Márcio Nakashima (PDT).

Questionada sobre as acusações dos deputados, a Secretaria de Saúde do Estado disse que “é inverídica a colocação de que há omissão ou falta de recursos para que o Hospital Geral de Guarulhos atenda à população”.

De acordo com o órgão, o HGG  possui estoque completo de EPIs, “garantindo proteção aos profissionais que estão na “linha de frente” do combate à COVID-19”. A Secretaria, porém, não se manifestou sobre o número de trabalhadores afastados e nem questionou o número apresentado pelos deputados.

A Secretaria informou ainda que as taxas de ocupação de leitos de UTI variam no decorrer do dia, em virtude de fatores como altas ou transferências para leitos de enfermaria, por exemplo e que o local segue apto para receber novos pacientes.

Não há previsão de novos leitos ou respiradores para o local.

Além de Nakashima, o PDO é formado pelos deputados Sargento Neri (Avante), Coronel Telhada (PP), Adriana Borgo (PROS), Leticia Aguiar (PSL), Ed Thomas (PSB), Coronel Nishikawa (PSL), Conte Lopes (PP) e Tenente Coimbra (PSL).

Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

Comentários...

Veja também...

- PUBLICIDADE -