fbpx
PUBLICIDADE

Ciesp Guarulhos abre Núcleo de Comércio Exterior

Núcleo de Comércio Exterior do Ciesp Guarulhos
Foto: Divulgação
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Medida favorece industriais de Guarulhos, Arujá, Santa Isabel e Mairiporã

O Ciesp Guarulhos (Centro das Indústrias de São Paulo) lançou, nesta quarta-feira (22), o Núcleo de Comércio Exterior, com o objetivo de apoiar indústrias da região, o que inclui Guarulhos, Mairiporã, Santa Isabel e Arujá, a incrementarem suas atividades de importação e exportação, aumentando a produção e fomentando a geração de empregos.

Durante o evento de lançamento foram feitas palestras sobre o cenário macroeconômico de comércio exterior a partir do ponto de vista guarulhense e sobre estratégias de câmbio. Nos próximos encontros, o grupo prevê receber representantes de consulados, embaixadas e câmaras de comércio e fará rodadas de negócios entre representantes de países parceiros do Brasil e empresários locais.

A abertura do evento foi feita pelo 1º vice-diretor do CIESP Guarulhos – e diretor titular em exercício -, Sérgio Matos, que destacou a necessidade de inovação no segmento na hora de tratar estratégias comerciais.

“Precisamos expandir nossa atuação. Hoje vamos ouvir os especialistas em comércio exterior e colocar a cabeça para pensar”, afirmou.

O responsável pela condução do núcleo será José Vitorelli, que palestrou para os mais de 30 interessados no tema sobre o panorama global de importação e exportação, as principais rotas internacionais de fluxo de mercadorias, a balança comercial de Guarulhos e como a indústria local pode melhorar sua performance.

“Guarulhos recebe o olhar atento de todo o país quando se trata de comércio exterior, inclusive do governo federal. Temos que olhar com altivez para o nosso potencial nesta área”, apontou Vitorelli.

Com mais de 30 anos de experiência em comércio exterior e logística internacional, Vitorelli demonstrou aos associados que este é um momento vantajoso para investir em relações comerciais com parceiros estrangeiros: com a reacomodação das cadeias de produção e dos preços de frete no pós-pandemia na China e a estabilização do preço do petróleo depois de um ano de guerra na Ucrânia.

“O custo do contêiner de 40 pés é um bom exemplo. Trazer um deles de Shangai, que é o maior porto da China, para Santos no quarto trimestre de 2021 chegou a custar US$ 15 mil. Hoje, o custo é de US$ 1,3 mil”, contou o coordenador do Núcleo de COMEX do CIESP Guarulhos.

O evento também contou com a fala especial de Tiago Barbosa, coordenador-geral de Facilitação do Comércio na SECEX, gerente do Portal Único de Comércio Exterior e especialista Single Window da UN/CEFACT (ONU), que abordou sobre o Portal Único de Comércio Exterior, como uma iniciativa do governo federal com vistas a reduzir a burocracia, o tempo e os custos das exportações e importações brasileiras.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM