PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Brasil bate México e guarulhenses Claudinho e Gabriel Martinelli garantem medalha olímpica

Foto: Lucas Figueiredo/CBF
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on pinterest

PUBLICIDADE

Jogadores vão disputar o ouro na manhã de sábado

Depois do show da ginasta Rebeca Andrade, que conseguiu um ouro e uma prata nos Jogos Olímpicos de Tóquio, os guarulhenses Claudinho e Gabriel Martinelli vão disputar o título do futebol masculino com a Seleção Brasileira no próximo sábado, às 8h30 (horário de Brasília), em Yokohama, o mesmo estádio onde o Brasil foi campeão mundial em 2002.

Na manhã desta terça-feira (3), a Seleção Brasileira fez um jogo bem disputado e equilibrado com o México, no Estádio de Kashima, e avançou com vitória por 4 a 1 nos pênaltis – o placar ficou empatado em 0 a 0 no tempo regulamentar e na prorrogação.

Claudinho começou a partida e foi substituído por Reinier. Já Martinelli entrou no lugar de Paulinho e converteu o terceiro pênalti para o Brasil.

Atual campeão olímpico, o Brasil garante o sétimo pódio na modalidade, o torna o país o maior medalhista no futebol. A final será disputada contra o vencedor de Japão e Espanha.

Guarulhos nos Jogos

Antes de Tóquio, Guarulhos nunca teve uma pessoa nascida na cidade que foi medalhista nos Jogos. Nesta edição, Rebeca Andrade conquistou as duas primeiras medalhas guarulhenses. Ela começou na ginástica aos 4 anos no Ginásio Bonifácio Cardoso, na Vila Tijuco. Hoje, ela é atleta do Flamengo, no Rio de Janeiro.

Claudinho é jogador do Red Bull Bragantino, nasceu em Guarulhos, mas se mudou para o litoral paulista aos três anos. Ele ganhou o título de melhor jogador do Brasileirão 2020.

Martinelli morou em Guarulhos até 13 anos, depois se mudou para Itu. Hoje, ele defende o Arsenal, da Inglaterra.

Há dois medalhistas que não nasceram em Guarulhos, mas viveram na cidade. No futebol, Zé Elias conseguiu o bronze nos Jogos de Atlanta, nos Estados Unidos, em 1996. Apesar de ter crescido em Guarulhos, ele nasceu na cidade de São Paulo. Já João Carlos de Oliveira, conhecido como João do Pulo, morou por décadas na cidade, ganhou dois bronzes (Montreal/1976 e Moscou/1980), mas nasceu em Pindamonhangaba, no interior paulista.

PUBLICIDADE

TÓPICOS
COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM

PUBLICIDADE