fbpx
PUBLICIDADE

Bispo de Guarulhos critica negacionistas da covid e fome no país

Foto: Reprodução/Facebook/Catedral de Guarulhos
Compartilhe
PUBLICIDADE
Previous slide
Next slide

Festa de Corpus Christi volta a ser celebrada com tapetes coloridos e procissões pela cidade

O bispo de Guarulhos, dom Edmilson Amador Caetano, presidiu a missa de Corpus Christi de forma presencial, após dois anos de pandemia de coronavírus, na tarde desta quinta-feira (16), na Catedral Nossa Senhora da Imaculada Conceição, no Centro. Em toda a cidade, as paróquias retomaram os tradicionais tapetes festivos em honra ao Corpo e Sangue de Jesus Cristo, além das procissões.

Na homilia, dom Edmilson reconheceu que o tempo atual é “terrível” por causa da pandemia. Ele disse que o Senhor inspira a ciência para combater a pandemia e lembrou as críticas que recebeu ao manter a determinação de uso de máscaras nas missas.

“A vacina tem ajudado. O Senhor inspira a ciência a recomendar o uso de máscara, apesar dos negacionistas. Me chamaram de louco e comunista porque falei para continuar a usar máscara. Agora os hospitais estão enchendo de novo”, comentou.

De acordo com o bispo, a situação no país é grave, com 35 milhões de pessoas passando fome, apesar de o Brasil ser o segundo maior exportador de alimentos no mundo.

“Está faltando solidariedade e políticas públicas, mas está faltando o anúncio de Jesus Cristo nessa sociedade para quem governa e quem é governado. Sem Jesus Eucarístico, essa sociedade não se transforma”, comentou.

Após a missa, houve a tradicional procissão do Santíssimo Sacramento pelas ruas do Centro de Guarulhos, em direção à Igreja Nossa Senhora do Rosário.

Fotos do Corpus Christi em Guarulhos

PUBLICIDADE

TÓPICOS
Previous slide
Next slide
Compartilhe
VEJA TAMBÉM